segunda-feira, 24 de maio de 2010

Conclusão da II Semana de Tecnologia da Informação

A II semana de tecnologia da informação do Senai foi concluída nesta sexta-feira, dia 21 de maio de 2010 com absoluto sucesso de público e participação. Convido-o a visitar o site do Senai para ver as fotos e conferir no link abaixo:
http://www.sistemafibra.org.br/senai/index.php?option=com_morfeoshow&task=view&gallery=8&Itemid=120

Luiz Loiola

domingo, 16 de maio de 2010

Você sabe a diferença entre as gerações X, Y e Z?

Você sabe a diferença entre as gerações X, Y e Z? 
Sabe de qual delas faz parte?  
Conhece as características de cada uma delas?
Em que tempo da história cada uma se encaixa?
Será que é por isso que estamos sempre procurando explicações para o chamado "conflito de gerações"?

Vou explicar tudo isso, bem detalhadamente, em um dos meus próximos artigos. Conhecer do assunto vai facilitar para que pais entendem melhor seus filhos que vivem antenados 24 horas no mundo virtual e para que os filhos entendam melhor seus pais, que vem de uma geração menos conectada, ou totalmente desconectada, a partir de um mundo onde: telefone era luxo para muito poucos, não existia orelhão; carro com tecnologia embarcada era fusca, brasilia e kombi; televisão era peça rara nas casas e ainda preto & branco, e só havia 3 canais - limitados; computador pessoal e redes não existiam como conhecemos hoje e nem se sonhava nisso; as pessoas faziam "seu orkut" indo à pracinha no domingo a noite ou sentando-se na frente de casa em uma cadeira de balanço para "atualizar seu blog" (conversando sobre tudo).


Estes 3 mundos (X, Y e Z) possuem diferenças que seria impossível medir, mas podemos, pelo menos, conhecer melhor e debater sobre o assunto. 

Sucesso! Sucesso!


sexta-feira, 14 de maio de 2010

Você conhece o SENAI?

O Senai é uma belíssima instituição de ensino profissional, com uma estrutura instalada enorme, que atinge todos os recantos do Brasil. Visite o site e tire suas próprias conclusões.

http://www.senai.br/br/institucional/snai_his.aspx

Sucesso prá você!

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Escolha o tema do próximo artigo

Nossos próximos artigos abrem o debate sobre uma lista de novas tecnologias, ou recursos, que farão do 2010 o ano de uma das maiores revoluções em comunicação. É impossível dizer, com precisão, o quanto a tecnologia evoluirá, mas podemos dizer que o céu certamente será o limite. 
Como sua participação é essencial para continuarmos com o sucesso objetivado para o blog, reforçamos nosso convite para que participe e escolha quais destes temas mais lhe agrada. No rodapé de cada artigo anterior há links de comunicação que trazem você para este universo, onde você pode se comunicar diretamente comigo, escolhendo a ordem dos próximos artigos na lista abaixo.  Pode também postar informações que gostaria que o mundo tivesse acesso.


Informação gera conhecimento!
Conhecimento é poder!


Luiz Loiola 



Temas à sua escolha

  1. Chromium OS, o sistema operacional da Google 
  2. Windows Azure, sistema operacional Microsoft 
  3. Tecnologia verde 
  4. Twitter
  5. YouTube 
  6. Cloud Computing (Computação em Nuvens)
  7. Tablets e E-book Readers
  8. Smartphones e internet 
  9. Localização e GPS
  10. RFID, NFC e pagamentos facilitados
  11. Comércio online
  12. Jogos em redes sociais

Um grande evento de tecnologia no Gama - DF

Como funciona a Inclusão Digital





Nos dias 17 e 19 de maio de 2010, às 19:45h, estarei mais uma vez participando ativamente da II semana de TI do Senai DF. Desta vez com palestras sobre Inclusão Digital. Convido-o a visitar o site do Senai DF e fazer sua inscrição para participar desta e de outras palestras, mini-cursos e demonstrações.

Imagem fantástica









Participem da II Semana de Tecnologia do Senai

Confira a programação completa no site http://www.sistemafibra.org.br/senai/ ou direto na página do evento 

Os convites para algumas palestras, como a de inclusão digital, já se esgotaram, mas ainda há convites para palestras sobre:

. Software Livre (Linux)
. Mercado de Trabalho em TI
. Desenvolvimento de Jogos
. Tecnologias Microsoft
. Certificações em TI
. Automação de Escritório

Se desejar participar, basta entrar em contato direto com os organizadores pelos telefones que estão no site. A participação precisará ser confirmada porque a procura é muito grande. 

Participações em algumas atividades darão direito a certificados.

Conhecimento é poder!


quinta-feira, 6 de maio de 2010

Século XXI - Professor Conectado e On-line

Este meu artigo é um aperitivo para uma velha discussão, sob um novo enfoque, em uma realidade estranhamente surreal - ou talvez a palavra certa fosse absolutamente virtual.

Semanas atrás, em um dos maiores e mais sérios jornais de circulação nacional,  deparei-me com um assunto deveras interessante: professores se predispondo a entrar com ações na justiça contra o estado, com o objetivo de receberem adicional em seus salários em função de que trabalham fora do horário normal, enquanto estão conectados e on-line com alunos através da WEB. Sem entrar no mérito da questão é, no mínimo, intrigante abrir uma discussão sobre tal tema.

Sou um profissional de educação que trabalha com tecnologia, direta ou indiretamente, desde meados dos anos 1980. Sou instrutor de informática da maior instituição de ensino profissionalizante do país e convivo diariamente com profissionais da rede de educação pública do Distrito Federal, que vem se firmando, cada vez mais rápido, com um dos estados - neste caso distrito - que podem ser vistos como uma ilha de prosperidade nos investimentos em informática, se compararmos à situação de muitos outros estados da federação.

Tendo exposto a situação "bem situada para observação" onde me encontro, peço, muito humildemente, licença para listar algumas considerações e suas respectivas explicações acerca do assunto em questão. Bom esclarecer que não há aqui qualquer juízo de valor e que a idéia de trazer o assunto à pauta deste ambiente é somente tentar contribuir positivamente, jogando luz adicional sobre tema tão nebuloso, afinal, avanço tecnológico nunca será demais para uma área como educação, quanto mais se gera retorno em desenvolvimento, produtividade, mais capital intelectual e, se possível, renda extra.

Imagine um professor que tenha acesso à tecnologia em sua sala de aula e também fora dela. Ele terá  sempre duas opções para desenvolver projetos. Na primeira destas opções, que segue a linha mais tradicional, o professor mantém um "vínculo" com seus alunos somente naquele período em que estiver em sala ou na escola. Acabou a aula, esgota-se o vínculo, que será renovado somente na próxima aula. Não existe comunicação entre as partes de qualquer forma nos fins de semana, feriados ou recessos. A outra opção, que já vigora estável em algumas regiões de países desenvolvidos e em desenvolvimento, incluindo o nosso, com absoluto sucesso, torna o "vínculo" algo como permanente. O professor e os alunos comunicam-se através de e-mail, dividem assuntos em grupos de discussão privados, criam e abastecem blogs com informações novas a cada dia, fazem do twitter uma ferramenta indispensável para informações de campo que precisam chegar rapidamente à WEB e até participam de vídeo-conferências utilizando-se de seus PC's domésticos com WebCam.

Os resultados do método tradicional são conhecidos e muitos mantém a excelência justamente por causa das aulas presenciais intensas. Já no caso do método "novo", o que vemos é que ajustar-se é essencial para manter a racionalidade das informações e o mínimo de privacidade. Quando você se propõe a manter um vínculo extra sala de aula com seus alunos é importante que tenha consciência da necessidade de equilíbrio entre a relação presencial e aquela vivida à distância, de forma que valha a pena investir neste formato de aula com acompanhamento on-line, durante a semana inteira. Importante relembrar que tudo que se faz no mundo virtual ficará para a posteridade e todos os usuários do mundo terão acesso. Quem melhor se adaptar estará trabalhando daqui a alguns anos com tecnologia em tempo integral e ganhando dinheiro com isso, sem precisar enfrentar engarrafamentos ou um relógio de ponto.

Com o advento da socialização do uso de notebooks e a melhoria dos recursos de banda larga a idéia de conectividade e comunicação on-line, neste caso específico, se resume, basicamente, ao seguinte: a) o e-mail é, cada vez mais, visto como documento com poder de comprovação frente às leis e deve ser usado como meio de comunicação direta e privada entre aluno e professor. Deve-se evitar participar de correntes e cada novo e-mail deve levar uma parte do anterior em sua configuração, de forma a manter a linha do raciocínio. Sempre inserir local, data e hora do envio, especificando claramente o destinatário e o assunto, além de manter uma linguagem de comunicação respeitosa e de acordo com a etiqueta da internet (netiqueta); b) grupo de discussão é um ambiente idêntico a uma sala, onde somente determinadas pessoas serão autorizadas a entrar e participar. Cada grupo que é criado tem um administrador e um moderador (pessoa que avalia o conteúdo dos textos postados e decide seu destino), que podem ser a mesma pessoa, caso se deseje assim. É necessária senha para o acesso e os textos postados alí serão vistos por todos do grupo, em qualquer lugar do mundo e a qualquer hora. É uma área excelente para disseminar idéias e abrir debates com outros membros do grupo, sem que pessoas de fora precisem saber. Você deixa o assunto lá e os membros podem fazer o acesso e leitura a qualquer tempo; c) o Facebook é o Orkut do resto do mundo, porque o Brasil é onde mais se usa o orkut. Facebook é usado em quase todos os países e a moderação é mais rígida que no orkut, o que faz do ambiente um lugar mais "sério" e com menos exageros. Criar novos grupos de amigos aí é uma idéia bem pensada que pode render frutos promissores no campo profissional e educacional, além de gerar receita para seus usuários mais ativos. Esta é uma rede que possui algo em torno de 140 milhões de usuários pelo mundo, segundo analistas; d) a função principal do twitter é fazer o link entre a internet, os computadores e os celulares, indo e voltando. Uma ferramenta como esta em uma pesquisa de campo é essencial para manter sua comunidade bem abastecida de informação fresca, a partir de um torpedo enviado do seu celular. Você pode enviar mensagens para sua página na internet de qualquer lugar do mundo, a qualquer momento. Se estou em uma feira de informática e desejo informar em tempo real o que se passa naquela ocasião, vou mandando torpedos pelo meu twitter e automaticamente eles vão sendo expostos nas páginas que mantenho na WEB; e) Um recurso muito útil que agiliza ações é o VoIP. Este recurso permite que dois usuários, utilizando computadores com microfone e fone de ouvido, conversem em tempo real, gastando nada ou quase nada, pelo tempo que quiserem, estando os dois onde estiverem no mundo. Se o professor mantiver um programa como este instalado o aluno pode se comunicar a qualquer tempo e ficar conversando sobre dúvidas mais urgentes pelo tempo que se fizer necessário. A qualidade desse tipo de comunicação vem melhorando sensivelmente e fazer vídeo conferência vem se tornando mais simples em velocidades espantosas; f)  o celular, o notebook, a TV, o GPS e os recursos da internet estão se aproximando e serão um só muito em breve, em um aparelho pouco maior que a palma da mão, em um mundo virtual de computação em nuvem, que irá substituir quase tudo o que conhecemos hoje. Enquanto essa inovação não chega, é necessário que saibamos dar ao serviço de mensagem por celular o seu valor devido. Se um aluno meu estiver em uma cidade qualquer do Brasil e tiver uma idéia genial para me enviar ou uma dúvida em situação urgente e crítica que precise de resposta, uma mensagem bem escrita e em poucas linhas pode resolver tudo. Se o celular estiver desligado ou fora de área a mensagem será recebida logo que voltar com o aparelho a uma área coberta ou logo que religá-lo. E se a situação for em caminho inverso? o resultado é o mesmo.

Resumindo tudo eu diria que a grande vantagem embutida aí é que todas as vezes que retornar para o convívio em sala de aula será desnecessário ficar me reconectando com o ponto de raciocínio do assunto da última aula ou ficar tentando trazer o aluno para o ponto em que paramos. O que leva muito tempo, dependendo da situação. A aula pode transcorrer sem sobressaltos desde o início do horário e tudo o que não for possível fazer durante a aula pode ir sendo digerido no decorrer dos dias seguintes. Você vai ficar tendo muito contato on-line e a compensação é que irá se desgastar infinitamente menos em sala de aula para que seus alunos tenham um raciocínio bem próximo do seu no assunto daquele dia.

IMPORTANTE: Antes de implementar uma idéia como esta é essencial pesar muito os prós e contras, ver as regras que regem a empresa onde você trabalha, as implicações em função de possível limitação do aluno, ou sua própria, com informática e quais os ganhos em qualidade e produtividade que poderão advir em médio e longo prazos com o projeto em execução. Cada profissional deve conhecer seus limites e isso merece todo o respeito. Agora, limites foram feitos para serem vencidos.

Boa sorte e sucesso!!!

Conhecimento é poder!

Luiz Loiola

terça-feira, 4 de maio de 2010

Garimpando informação de boa qualidade!

4 de maio de 2010

Escrevi o texto abaixo em 22 de abril último e estou postando novamente para esclarecer algumas dúvidas dos meus leitores, resumindo: Vou continuar escrevendo muito, mas este é um excelente momento para garimpar milhares de bons sites em busca de uma segunda opinião e apresentar para o debate, uma vez que usuários ditos "comuns", ou leigos, não tem tempo e disposição para ficar 8 horas por dia garimpando, e nem precisam fazer isto. Estamos aqui justamente para filtrar o que vale a pena e disseminar em linguagem fácil. Reitero meu convite para o debate. Basta enviar comentários através dos icones no rodapé de cada artigo.

Informação gera conhecimento! Conhecimento é poder!

Luiz Carlos Loiola da Silva
  
                                 ***

Tenho escrito muito, sobre muita coisa, há muito tempo.

Olhando dessa forma, parei estes dias para refletir mais profundamente e me vi assim: Porque preciso escrever tanto sobre tanto que já existe, se há tantos fazendo o mesmo que eu. O volume de informações que entra em nossas vidas é simplesmente impossível de ser digerido, processado ou aproveitado. E sabendo que precisamos transformar informação em conhecimento para que nosso investimento intelectual tenha valido à pena, chega-se à conclusão de que muito tempo é desperdiçado na busca por formas de racionalizar o tempo...que já não existe como o conhecemos.

As solicitações que tenho recebido de ex-alunos, amigos e clientes para escrever englobam os mais diferentes assuntos da área de TI, mas é quase tudo do mesmo assunto internet, com seus múltiplos usos, diversas facetas e inúmeras dúvidas. Os meios de comunicação também são tantos que já é humanamente impossível manter-se atual através de e-mail, orkut, msn, youtube, twitter, blogs, sms e tudo mais.

Procurando ações com bom senso, separei alguns textos, sobre assuntos que vivenciamos regularmente nas redes e internet e disponibilizo-os para sua leitura nos tópicos a seguir. Observem que tive o cuidado de identificar as fontes e sites de origem e gostaria de convidá-los para debater acerca dos conteúdos. Talvez assim, possamos ter algum tipo de racionalidade na inglória tarefa de processar adequadamente cada sentença dos textos, até que se transformem em conhecimento para nossas existências virtuais neste mundo real.

Como todos os textos deste blog são o início e fim em sí mesmos, talvez a forma menos insana de lê-los seja escolhendo pelo título, aguçando sua curiosidade natural e deixando que um ou outro artigo "lhe encontre".

Boa leitura e sucesso!

Conhecimento realmente é poder!

Artigo essencial - Qual o melhor navegador?


Qual o melhor navegador? O Baixaki fez a análise!

Por Danilo Amoroso

Fonte: http://www.baixaki.com.br/info/1915-qual-o-melhor-navegador-o-baixaki-fez-a-analise-.htm

Fizemos uma análise detalhada para destrinchar as principais características de cada navegador. Confira!


Navegadores são a porta de entrada para que desfrutemos tudo que a internet tem a oferecer – o que não é pouco. Devido à popularidade imensurável da grande rede em nossas vidas, esses navegadores ganharam grande importância para qualquer usuário.
Cada “navegante” tem gostos e necessidades peculiares. É por isso que escolher um navegador que preenche essas necessidades pode tornar a experiência pela internet mais rica e eficiente.
Com o intuito de ajudar você, o Baixaki testou os cinco navegadores mais “bombados” do Baixaki. Seguindo uma orientação científica, elaboramos e executamos testes objetivos onde a performance de cada navegador é analisada a partir de números concretos. Certamente que outros elementos e possibilidades também foram testados, enriquecendo esse teste.
Navegadores avaliados
Mozilla FirefoxMicrosoft Internet ExplorerGoogle ChromeOpera e Safari, todos em suas últimas versões estáveis ou Beta disponíveis.
Briga boa entre esses navegadores.

Sistemas suportados
Nossa análise tem início antes mesmo da instalação dos navegadores. Para começar, quais são os sistemas operacionais compatíveis com cada navegador?
O Opera se mostrou extensamente compatível, podendo ser utilizado no Windows 98, 2000, XP e Vista. O Internet Explorer também mostrou um alto índice de compatibilidade, podendo ser utilizado com o Windows XP, 2003 e Vista. No entanto, para esse último sistema, o arquivo de instalação é diferente.
O Mozilla Firefox não fica para trás em termos de compatibilidade. Ele pode ser instalado no Windows 2000, XP e Vista. Já o Safari e o Google Chrome são compatíveis com o Windows XP e Vista.
A compatibilidade dos navegadores analisados.

Instalação
Chrome
A instalação do Google Chrome foi muito rápida e simples. Em poucos segundos, o navegador já estava instalado e favoritos do Internet Explorer já estavam importados automaticamente. Não foi necessária a intervenção do usuário em nenhum momento.
Firefox
A instalação do Mozilla Firefox levou um pouco mais de tempo, mas também foi concluída em poucos instantes. Aqui foram necessárias poucas intervenções, apenas para definir o tipo de instalação, o destino da pasta e a importação de configurações do Internet Explorer.
Opera
O Opera mostrou uma instalação muito semelhante à do Firefox, tanto em tempo como em nível de intervenção do usuário.
Safari
A instalação do Safari também é rápida e com um diferencial significante para vários usuários: ela foi a única que permitiu escolher a criação de um ícone na Área de Trabalho.
Internet Explorer
Já a instalação do Internet Explorer segue um padrão diferente. Primeiro você deve escolher se deseja ou não participar do programa de melhoria do navegador. Em seguida, você tem a opção de localizar e instalar atualizações durante a instalação. Em seguida, o Internet Explorer faz o download do conteúdo necessário e aplica a ferramenta para remoção de software mal intencionado para finalmente iniciar a instalação.
Ao final, é recomendado reiniciar a máquina. Foi a única instalação que recomendou tal procedimento. Ao todo, foram 8 minutos.
Interface - aspecto inicial
Podemos dividir os navegadores em dois grupos: de um lado, Chrome e Safari; do outro, Firefox, Internet Explorer e Opera.
Os dois primeiros navegadores têm uma interface ligeiramente parecidas. A interface do Chrome passa a ideia mais clara de simplicidade. Percebe-se que há apenas uma barra, e não duas como já é muito comum.
Isso significa que a mesma barra possibilita a digitação de um texto ou de um termo para busca. Dos lados desta barra, há cinco botões. São eles: atualizar, favoritos, ir, controlar página atual e configurações.
O problema é que não há nenhuma indicação. Os primeiros botões são fáceis de deduzir para que servem, porém os dois últimos podem despertar dúvidas em muitos usuários. O Chrome exibe sites mais visitados e favoritos recentes na página inicial. Porém, como esta é a primeira execução do navegador, não há ainda nenhum conteúdo a ser exibido.
O Safari também não exibe os menus “Arquivo”, etc. A barra de endereços é dividida em duas, mas também é composta por ícones semelhantes aos do Chrome. O visual remete a softwares da Apple, e claro que não é à toa. Sites favoritos também são exibidos, mas isso depende que você navegue por um tempo.
O Safari remete a aplicativos da Apple.
O que desperta a curiosidade no Safari é um botão com o desenho de uma formiga. Este é o botão para que você notifique a Apple sobre bugs (falhas) no navegador. Bugs, em inglês, significa inseto, daí o desenho.
Esses dois navegadores não indicam explicitamente a possibilidade de trabalhar com abas, mas um pequeno botão, representado pelo símbolo “+”, permite que você comece a abrir sites em abas.
Já pelo segundo grupo, percebe-se a presença da barra de menus no Firefox e Opera. No primeiro, a barra de endereço e de botões tem um visual mais condensado, pequeno, para que esta parte de cima não se estenda pela página e prejudique a visualização. Como diferencial, o Firefox exibe links favoritos logo abaixo da barra de endereço.
O Firefox exibe favoritos logo abaixo da barra de endereço.
Já o Opera mostra um visual que foge dos padrões. Com detalhes em cinza e preto e ícones mais estilizados, ele causa um impacto inicial. É possível perceber as abas acima da barra de endereço, que também é um pouco “enxuta”.
O Internet Explorer removeu a barra de menus a partir da versão 7. O que o diferencia dos outros navegadores é a barra de botões, que fica à esquerda.
O Internet Explorer com sua barra de ferramentas diferenciada.

Características
Navegação em Abas
As abas facilitam muito a navegação para quem gosta de acessar mais de uma página ao mesmo tempo. Logo, elas são um complemento praticamente obrigatório. Os cinco navegadores analisados apresentam esse recurso.
Internet Explorer, Google Chrome e Opera evidenciam a possibilidade de usá-las assim que o navegador é executado. Já o Safari pode “enganar” alguns usuários menos atentos. As abas são acionadas através da barra de título, algo que os usuários não estão acostumados.
A barra de títulos funciona como divisora de abas no Safari.
Já o Firefox, por padrão, não exibe a barra de aba. Ele mostra a barra a partir do momento em que uma nova página é aberta. Isso pode ser alterado nas configurações.
Vale a pena destacar que o Internet Explorer colore as abas para identificar páginas de um mesmo domínio facilmente. Isso faz com que o usuário organize melhor todas as abas abertas.
O Explorer destaca abas do mesmo domínio.
Todos os navegadores têm atalho para alternar entre abas facilmente: Ctrl+Tab.
Sistema de busca
Internet Explorer, Opera, Firefox e Safari tem uma barra menor, ao lado da barra de endereços, para execução de buscas. O buscador padrão utilizado pela maioria deles é o Google. A única exceção é o Internet Explorer, que utiliza o Live Search (por motivos óbvios, não?).
O Chrome se diferencia nesse quesito por utilizar uma única barra tanto para endereços como para busca. Ao digitar uma palavra fora do formato www.endereço.com.br, o mecanismo de busca do Google é ativado. Como resultado, a barra é mais longa.
A barra do Chrome é a mesma para endereços e pesquisas;
Pré-visualização
Chrome, Opera e Safari apresentam recursos diferenciados para a visualização de páginas recém-visitadas e favoritas. Eles exibem miniaturas para que você já tenha uma ideia do conteúdo disponibilizado.
Todos os navegadores têm barra de endereços inteligente.Barra de endereços inteligente
Todos os navegadores têm uma barra de endereços inteligente. Essa barra funciona não somente como uma ferramenta única para pesquisar pela web por qualquer tema, mas também por páginas recém-visitadas, favoritas e feeds RSS. Ao digitar um termo qualquer, o seu mecanismo de busca é ativado. Porém, ao digitar um endereço no padrão www..., essa barra vai pesquisar por páginas recém-visitadas e favoritas.
Extensões e Add-ons
O Internet Explorer começou a implementação de extensões e add-ons a partir da versão 5.0. Porém, este recurso teve um grande boom com o Mozilla Firefox. Desses cinco navegadores, apenas o Chrome e o Safari ainda não apresentam este recurso.
Correção ortográfica
O corretor do Chrome em ação no Orkut.O Google Chrome tem um corretor ortográfico que funciona assim que o navegador é iniciado e sem a necessidade de nenhuma intervenção. O Firefox, em suas configurações, também oferece este recurso, mas ele precisa da utilização de outros aplicativos para funcionar definitivamente.
Explorer, Opera e Safari não apresentaram corretores próprios, sendo necessário a busca por extensões ou aplicativos não-oficiais para isso.
Gerenciador de Senhas
Todos os navegadores oferecem a possibilidade de salvar dados de formulários e senhas. Opera e Firefox apresentam um gerenciador mais detalhado, com a possibilidade de aplicação de senha-mestre e controle de exibição das senhas armazenadas. O Opera, inclusive, oferece a configuração de quando é necessário utilizar a senha mestre criada.
Já Explorer, Chrome e Safari mostram não um recurso de gerenciamento de senhas, mas a possibilidade mais simplificada de salvar senhas digitadas. O Safari é o único que não oferece o recurso de perguntar antes de salvar uma senha.
O gerenciador de senhas do Firefox.
Personalização
Em termos de modificações visuais, os usuários do Firefox são os mais conscientes da possibilidade dessas mudanças, uma vez que a Mozilla oferece um centro de add-ons. No entanto, dos cinco navegadores, apenas o Chrome não oferece essa possibilidade.
Atualizações automáticas
Todos os navegadores apresentam recurso de atualização automática. O único caso ligeiramente diferente é o Internet Explorer, que utiliza o Windows Update para buscar atualizações. Logo, para que as atualizações do Explorer sejam automatizadas, o Windows Update precisa estar habilitado como automático também.
Zoom
Apenas o Safari tem recurso limitado de zoom. Ele não possibilita aumentar a visualização de uma página, incluindo imagens, mas ainda oferece recurso para aumentar o tamanho do texto. Todos os outros navegadores permitem o ajuste de zoom de qualquer página.
O controlador de zoom do Opera em ação.
Voz e Gestos
O Opera é o único desses navegadores com recurso próprio para navegar através da fala e ler os textos das páginas. No entanto, é um recurso disponível apenas em inglês para os usuários do Windows. Ele também é o único navegador que usa gestos de mouse como atalhos para diferentes funções, como avançar e voltar por páginas e abrir links por exemplo. Um recurso parecido, mas não com o mesmo dinamismo, é a combinação de teclas com cliques do mouse do Firefox.
Sincronia
Chrome, Internet Explorer e Opera oferecem recursos de sincronização, ou seja, o compartilhamento de informações entre navegadores ou com aparelhos celulares e até documentos.
Gerenciador de Downloads
Firefox, Chrome e Opera apresentam um gerenciador de downloads cada. Este gerenciador permite desde a simples listagem dos arquivos baixados até a pausa e continuação de um download quando possível.
O gerenciador do Firefox, com possibilidade de pausa.
Salvar abas
Apenas o Chrome não oferece a possibilidade de salvar abas abertas. Todos os outros possibilitam salvar as abas para que elas sejam abertas posteriormente.
Favoritos
O gerenciador dos favoritos do Explorer.Todos os navegadores contam com a possibilidade de salvar e gerenciar as páginas que você mais gosta. Todos eles também listam as páginas mais acessadas por você.
Controle de Pais
Explorer e Firefox, através de complementos e aplicativos não-oficiais, permitem o controle do conteúdo que pode ser exibido para os usuários. Este controle é destinado a pais, mas também pode ser utilizado em outros casos.
RSS
Apenas o Chrome não tem recurso para detecção e leitura de feeds RSS (clique aqui para saber o que é isso). Todos os outros navegadores suportam este recurso. O Opera, no entanto, tem uma falha que exibe páginas erradas ou sem relação com o conteúdo desejado.
Opensource
Somente Firefox e Chrome foram desenvolvidos em código aberto, ou seja, com a possibilidade de os próprios usuários elaborarem melhorias e consertos para o navegador.
Outras funções
O recurso de acelerador do Explorer.O Internet Explorer apresenta como destaque os Web Slices, ou seja, um recurso para que você se mantenha atualizado. Quando uma página oferece essa possibilidade, basta adicioná-la à sua lista de Web Slice para saber de qualquer novidade que aparecer.
Outra investida do IE são os aceleradores, que agilizam o acesso a tarefas simples enquanto você navega. Basta selecionar texto de qualquer página para acessar um menu com diferentes funções que podem ser executadas. Elas incluem instruções de mapas, tradução, enviar por email e outras.
O Opera, por sua vez, tem o recurso de lixeira. Ele permite a recuperação de abas acidentalmente fechadas. Veja este gráfico com as notas dos navegadores em todos estes quesitos mencionados:
As notas dos navegadores nas características gerais.
Segurança
Bloqueador de Pop-ups
Todos os navegadores analisados têm recurso para o bloqueio de janelas indesejadas (pop-ups). O Explorer mostra um bloqueador com mais opções de configuração, o qual permite criar uma lista com sites que podem exibir pop-ups e também pode tocar um som característico quando uma janela for bloqueada. Para complementar, ele oferece três padrões de proteção contra pop-ups: baixo, médio e alto.
Antis-pyware, Antivírus e Antiphishing
Todos os navegadores oferecem ferramentas que não são antis-pywares, antivírus ou antiphishing propriamente ditos, mas oferecem recursos para impedir que páginas suspeitas sejam acessadas. O Firefox, por exemplo, alerta sobre sites que tentam instalar complementos ou que são alvos de fraude.
Configurações para bloqueio de sites e complementos perigosos.
O Chrome verifica certificados de sites para confirmar sua identidade, além de oferecer conexão criptografada. Já o Opera conta com proteção contra fraudes, gerenciamento de certificados e escolha de protocolos de criptografia.
O Safari alerta sobre sites fraudulentos e permite que você escolha quais plug-ins e conteúdos de risco podem ser executados. O Internet Explorer também oferece diferentes níveis de segurança, os quais bloqueiam a instalação de complementos suspeitos, cookies e outros conteúdos suspeitos.
Limpeza de histórico
Todos os navegadores oferecem opção para limpar o histórico de navegação, ou seja, limpar endereços recém-acessados e arquivos temporários. Firefox, Safari e Internet Explorer se diferenciam por oferecer a possibilidade de determinar a frequência com que esse histórico deve ser limpo automaticamente.
Modo privado
O modo incógnito do Google Chrome.Chrome e Explorer apresentam dois recursos que agradam a maioria dos usuários. É o modo de navegação privada, o qual não registra quais páginas foram visitadas e quais arquivos foram baixados. Todos os cookies utilizados nesse modo são excluídos assim que o modo anônimo é desativado. Vale o lembrete de que esse modo é temporário, não sendo possível utilizá-lo como padrão.
Veja esse gráfico com a tabulação das notas nos quesitos de segurança:
As notas nos quesitos segurança.
Testes
Submetemos os cinco navegadores a diferentes tipos de testes no estilo benchmark. Ou seja, são testes práticos e quantitativos para analisar a velocidade de todos os navegadores, tanto para navegação quanto para download de arquivos.
Testes de velocidade
Para estes testes, criamos uma espécie de ranking. Em cada quesito, o navegador mais rápido ganhou 10 pontos. O segundo, seis; o terceiro, quatro; o quarto, três e o quinto, dois. Soma-se os pontos para ter uma classificação objetiva dos navegadores.
Carregamento do navegador na página inicial
Na média o Google Chrome se mostrou o mais eficiente neste quesito. O primeiro carregamento do navegador durou cerca de 14 segundos. O segundo carregamento levou cerca de cinco segundos e, a partir do terceiro, não eram necessários mais que três segundos.
Internet Explorer, Opera e Safari mostraram números semelhantes para segundo e terceiro carregamentos, mas apresentaram um primeiro carregamento mais lento.
Neste quesito, o Firefox alternou bons e maus momentos. Algumas vezes, o primeiro carregamento não chegou a 20 segundos. Porém, em outras tentativas, ele chegou a ultrapassar os 30 segundos. No entanto, ele compensa no segundo e no terceiro carregamento, não passando de cinco segundos.
Tempo de carregamento do navegador pela primeira vez com a página inicial.
Carregamento de uma página em uma nova aba
Em uma primeira tentativa, Opera e Safari abriram páginas em uma nova aba em apenas dois segundos. Firefox e Chrome vieram em seguida, com quatro segundos. O Internet Explorer levou cinco segundos.
Tempo para abrir uma nova aba.
Carregamento de nova página
Firefox e Safari levaram dois segundos para abrir uma nova página na mesma janela. Internet Explorer, Opera e Chrome levaram pouco mais, três segundos.
Tempo de carregamento de uma nova página na mesma janela.
Downloads
Fizemos downloads de dois arquivos – um com 1 MB, outro com 120 MB – com todos os navegadores. Para o arquivo menor, Chrome e Safari foram os mais rápidos, concluindo o download em apenas dois segundos. Opera e Firefox ficaram nos três segundos, enquanto o Internet Explorer levou cinco segundos.
Já para o arquivo de 120 MB, o Chrome se mostrou rápido e estável, concluindo o download em 5m53s, em uma média de 340 kbps. Logo atrás vieram Opera, com 6m03s; Safari, com 6m09s, Firefox, com 6m24s; e Internet Explorer, com 7m02.
Tempo de Download para um arquivo de 120 MB
Tempo de download de um arquivo de 120 MB.
Testes de estabilidade
Este quesito é simples. Acessamos o Gerenciador de Tarefas do Windows com o navegador aberto para termos noção do uso de processador e de memória RAM. Para começar, abrimos todos os navegadores, um por vez, com seis abas simultaneamente.
Em termos de uso de processador, Safari e Opera mostraram níveis entre 15% e 30% de uso da capacidade do processador. O Internet Explorer mostrou um uso médio de 40% do processador, à frente do Firefox, com índice de 50%.
O Chrome alternou bastante entre 50% e até 100% em alguns casos. Porém, os comportamentos do Explorer e do Chrome foram desenvolvidos para segurança. Cada aba equivale a um processo, o que consome mais memória de fato, porém possibilita a recuperação de abas com erros.
Em termos de uso de memória, o Firefox mostrou a melhor média, alternando entre 60 e 75 MB. Ele foi seguido de perto pelo Opera, que consome em média 70 MB. O Safari ficou na média entre 90 e 110 MB, com o Chrome logo atrás, em 150 MB. O Internet Explorer indicou um uso de cerca de 190 MB. Novamente, os altos índices do Explorer e Chrome são consequência de abrir um processo para cada aba.
Uso de Memória RAM com seis abas abertas.
Testes de segurança
Acessamos um site falso-positivo para testar a capacidade heurística dos navegadores, ou seja, a capacidade de identificar sites maliciosos antes que eles ativem algum vírus em nosso computador. Vale ressaltar que o site testado não representava um perigo de fato, apenas um falso-positivo.
Firefox, Safari e Chrome alertaram sobre a possibilidade de se tratar de um site malicioso, cabendo a nós escolher assumir o risco de acessar o conteúdo definitivamente. Internet Explorer e Opera acessaram o site normalmente.
Acid3
O Acid3 é uma página de teste que confere a capacidade que um navegador tem de seguir certos padrões da Web, especialmente os relacionados a modelos de documentos e JavaScript. Ou seja, quanto melhor for o desempenho de um navegador, maiores são as chances de ele exibir todo o conteúdo de um site de maneira correta e sem problemas.
Safari e Chrome “gabaritaram” o teste, apresentando uma nota de 100/100. O Opera veio logo atrás, com 85/100, seguido pelo Firefox, com 71/100. O Internet Explorer mostrou um índice de 20/100. Desinstalação Apenas o Internet Explorer tem um recurso de desinstalação que precisa reiniciar o computador. Todos os outros navegadores têm desinstalação rápida e efetiva.

Entenda a somatória
Todos os quesitos dos critérios Características e Segurança foram avaliados em notas simples de 0 a 10.
Já os critérios dos testes foram adaptados. Em cada teste, o navegador mais rápido recebeu 10 pontos. O segundo, seis; o terceiro, quatro; o quarto, três; e o quinto, dois. Somou-se todos os pontos em todos os testes. O resultado final foi convertido proporcionalmente em unidades de 0 a 10 para possibilitar a soma com os quesitos de característica e segurança.
O mesmo serviu para os critérios de estabilidade: o navegador de melhor desempenho recebeu 10 pontos e o pior, dois. Converteu-se esses dados em unidades de 0 a 10 para somar com os outros resultados paralelos.
No teste de página suspeita, simplesmente os navegadores que a identificaram ganharam 10 pontos. os navegadores que não a identificaram não pontuaram. No teste de Acid3, a mesma nota obtida pelo navegador no teste foi utilizada na somatória do Baixaki, apenas convertendo a unidade de centena para dezena.
Logo, somou-se a pontuação dos navegadores em Características, Segurança, Testes, Estabilidade, Página Suspeita e Acid3.
Conclusão
1. Características
Analisando toda a disputa por cada quesito, tem-se os seguintes resultados: em características, o melhor também foi o Firefox, com 180 pontos. O segundo colocado foi o Opera, com 169 pontos. O Internet Explorer, quinto colocado no geral, se manteve bem nesse quesito, conseguindo 150 pontos e a terceira colocação.
Google Chrome e Safari fecharam essa disputa com 142 e 128 pontos respectivamente.
Esses resultados indicam que Chrome e Safari, apesar de eficientes, não têm a gama de recursos e possibilidades de seus concorrentes. O fato é que esses dois navegadores deixaram de ganhar pontos por não apresentar recursos que seus concorrentes apresentaram.
2. Segurança
Em termos de segurança, a disputa foi acirrada, com o Firefox conseguindo 29 pontos, seguido extremamente de perto por Explorer e Safari, com 28 pontos cada. O quarto colocado foi o Opera, com 26 pontos. O lanterna foi o Chrome, com 24.
A pouquíssima diferença entre o Firefox e o Chrome indica que nenhum dos navegadores têm problemas de segurança, apenas o Firefox têm detalhes mínimos que o colocam em vantagem.
3. Velocidade
Foi aqui que o Internet Explorer, o navegador mais comum da atualidade, perdeu seu reinado. E de maneira muito brusca. Ele conseguiu apenas quatro pontos. O Chrome conseguiu as melhores médias e alcançou a melhor nota: 8,4.
Ele foi seguido de perto pelo Safari, com nota 8. De um lado, todo o poderio do Google. De outro, a Apple vai mostrando as caras no mundo da Microsoft. O Opera foi o terceiro colocado, com nota 6,2. O Firefox foi o quarto, com 5,4.
4. Estabilidade
Estabilidade, ou seja, a necessidade que o navegador tem de usar memória RAM e processador, teve uma disputa quase desleal. O Opera simplesmente conseguiu a pontuação máxima nesse quesito: 20 pontos. Ou seja, nas diferentes situações, ele se mostrou o navegador que menos exige do seu PC.
O segundo colocado foi o Firefox, confirmando a fama que ele tem de "Raposa Rápida." Ele fez 11,5. Safari e Chrome empataram em 9,5 pontos. O primeiro enfrenta as dificuldades de se adaptar ao Windows, enquanto que o segundo peca pelo gerenciamento de processos.
Por último, o Explorer, que fez apenas 7,5. Ele realmente peca no gerenciamento de processos. Por um lado, criar um processo para cada aba possibilita a recuperação de conteúdos específicos. Por outro, sacrifica muito o computador do usuário.
5. Falso positivo
Explorer e Opera não identificaram uma página com comportamento perigoso. Isso não significa que eles são vulneráveis, mas indicam que eles podem ter um excesso de confiança no seu faro, o que pode prejudicá-los.
6. Acid3
Aqui, o Internet Explorer despencou de vez, com uma pontuação de apenas 20 nos testes da Acid3 - testes esses que não foram elaborados por nós. Safari e Chrome mostram que são capazes de abrir páginas com qualquer tipo de conteúdo sem erros. O Opera também mostrou ser muito competente. O Firefox se mostrou na média.
Geral
Na pontuação geral, o Firefox foi o nosso campeão, com um total de 243 pontos. Ele foi seguido de perto pelo Opera, com 229,7 pontos. O terceiro colocado foi o Google Chrome, com 203,9 pontos. Em quarto lugar, o Safari, com 193,5 pontos. O lanterna foi o Internet Explorer, com 191,5 pontos.
Este resultado indica que o Firefox é um navegador que pode ser indicado para qualquer tipo de usuário, uma vez que ele sempre manteve uma média alta em todos os tipos de teste. É claro que tais conclusões não visam impor qual deles é melhor, pois também deve-se levar em consideração a praticidade e afinidade que cada usuário tem com seu navegador. Por isso, sinta-se livre para comentar o seu ponto de vista.
E o campeão...

Redes Sociais


7 dicas para melhor gerenciar seus contatos em redes sociais e mensageiros

Por Douglas Ciriaco
Quinta-Feira, 28 de Janeiro de 2010

Estudo diz que 150 é o número máximo de amigos que conseguimos administrar. Em redes sociais e no MSN você deve ter muito mais contatos, portanto, conheça algumas dicas para gerenciar melhor todos eles.


A popularização das redes sociais trouxe consigo uma enxurrada de contatos para todo mundo. Alguns dizem que esses relacionamentos são superficiais. Outros falam que redes como o Orkut e o MSN encurtam distâncias.
Independente de quem estiver certo, o fato é que não é nada difícil de encontrar pessoas com centenas de contatos diferentes, tanto no Orkut, quanto no MSN. O Twitter, que cada vez mais cai nas graças dos internautas, também é outro aglomerador de contatos.
Mas será que ao manter contato com tanta gente você realmente consegue se relacionar com elas?
150 amigos é o limite do cérebro
Nos anos de 1990 o cientista e professor de antropologia evolucionária britânico Robin Dunbar desenvolveu um estudo com base em ancestrais humanos e em diversos grupos que já habitaram a Terra, e concluiu que 150 é o número máximo de relações sociais estáveis que o cérebro humano é capaz de gerenciar. Isso se deve ao aspecto pouco desenvolvido de nosso neocórtex cerebral.
Em pesquisa recente realizada na Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, o mesmo antropólogo afirmou que o surgimento de redes sociais (Orkut, Twitter, Facebook, etc.) não aumentou essa capacidade, ou seja, tanto no real quanto no virtual, o máximo de relações estáveis que temos habilidade para administrar é 150.
7 dicas para gerenciar melhor seus contatos
Então, visto que os pesquisadores apontam 150 como o limite de relações sociais que o cérebro suporta, que tal algumas dicas para administrar melhor as centenas de contatos que você tem em redes sociais e no MSN? Aí vão elas!
Classifique amigos do Orkut
O Orkut é a grande provação de pesquisas como as levadas a cabo por Dunbar, afinal, são milhões de usuários interagindo em comunidades, o que acaba gerando mais e mais contatos para todos.
O próprio serviço possui uma ferramenta bastante útil que permite aos usuários classificar seus amigos em grupos (trabalho, escola, família, etc.). Para acessar, vá até a seção para gerenciamento de amigos em sua página e então verifique no canto superior direito da tela a opção para criar e configurar grupos.
Adicione grupos no Orkut
Feito isso, ainda na página de gerenciamento de amigos, marque todos que deseja reunir em um grupo e vá até o menu em cascata onde se encontra o termo “ações”. Lá, selecione para qual grupo deseja enviar os contatos selecionados e, pronto, seus amigos no Orkut estão melhor organizados agora.
Agrupe seus contatos
Apague fakes
O Orkut é a praia favorita de perfis falsos. Seja de artistas famosos, finados, celebridades de segunda linha, personagens de filmes ou desenhos animados, existe um monte deles em toda a rede. Se você quer deixar tudo mais organizado, pode optar por uma das seguintes alternativas: organize todos os fakes em um grupo único ou então delete-os de seu Orkut.
Apague gente que você não conhece
Se você costuma escrever em muitas comunidades ou é dono delas, é provável que seu perfil seja bastante popular no Orkut. Sendo popular, muitos vão adicionar você sem nenhum motivo além de ser seu amigo na rede.
Além disso, existem desconhecidos que adicionam e nunca falam com você. Vamos organizar melhor as coisas fazendo uma limpa e eliminando desconhecidos que nunca fazem contato produtivo de nossa lista de contatos no Orkut.
Não adicione qualquer um
Além de limpar sua rede, que tal parar de aceitar todo e qualquer convite? Se a intenção é tornar as coisas melhor organizadas, é bom que tenhamos como contato somente gente que realmente faça sentido, afinal, uma grande quantidade de amigos não vai trazer nada além de mais complicação na hora de organizar tudo.
Categorize contatos do MSN
O MSN – ou Windows Live Messenger – é outro lugar que se não cuidamos, vira uma bagunça. Tem gente que possui muito mais que 150 contatos ali e, bem, não deve ser muito produtivo deixar todo mundo no mesmo balaio. O mensageiro mais popular do mundo possui um recurso bastante interessante para esse caso: categorias de contatos.
Crie categorias no MSN
Para criar uma categoria (antigamente chamada de “grupos”), siga o caminho Contatos > Criar uma categoria. Na nova janela que se abre você insere o nome da categoria e basta um clique sobre contatos para adicioná-lo ou removê-los da lista.
Renomeie contatos do MSN
Uma das diferenças do MSN para o ICQ, seu antecessor no posto de mensageiro mais usado no mundo, é a facilidade com que os usuários alteram seu nome de exibição (o nick). Isso permite que as pessoas coloquem ali seu nome, uma frase de música, um pensamento ou até mesmo um amontoado de caracteres que mais parecem hieróglifos.
Renomeie seus contatos do MSN
Para esse caso o programa da Microsoft também possui uma solução prática e rápida: renomeio de contatos. Clique com o botão direito do mouse sobre um contato, selecione a opção “Adicionar um apelido” e defina qual será o nome de exibição daquele usuário dali em diante. Obviamente a modificação só é visível por você.
Crie listas no Twitter
A última dica de hoje é para o Twitter, o caçula das redes citadas no texto. Recentemente o serviço criado por Jack Dorsey em 2006 adotou um sistema que permite a criação de listas. Nelas, você organiza todas as pessoas que segue, facilitando assim a organização por assunto e locais aos quais pertencem cada uma (algo quase igual aos grupos do Orkut e categorias do MSN).
Crie listas no Twitter
O processo é simples: na aba lateral do Twitter você encontra a opção “New list”. Clicando sobre ela surge uma nova janela, na qual você configura a nova lista. Insira um nome e uma breve descrição para, posteriormente, adicionar quantos contatos desejar a cada lista.

Fonte: http://www.baixaki.com.br/info/3545-7-dicas-para-melhor-gerenciar-seus-contatos-em-redes-sociais-e-mensageiros.htm

Conhecimento é poder!
Sucesso! Sucesso!

Computação em Nuvem


O que é Computação em Nuvens?

Por Eduardo Karasinski
Quarta-Feira, 15 de Outubro de 2008

Em breve seu computador estará nas nuvens

A computação nas nuvens, em inglês chamada de “cloud computing”, é uma tendência na internet do futuro. Mas você sabe o que significa essa expressão?

Acredita-se que no futuro ninguém mais precisará instalar nenhum software em seu computador para desempenhar qualquer tipo de tarefa, desde edição de imagens e vídeos até a utilização de programas de escritório (Office), pois tudo isso será acessível através da internet.

Estes são os chamados serviços online. Ou seja, você simplesmente cria uma conta no site, utiliza o aplicativo online e pode salvar todo o trabalho que for feito para acessar depois de qualquer lugar. É justamente por isso que o seu computador estará nas nuvens, pois você poderá acessar os aplicativos a partir de qualquer computador que tenha acesso à internet.

O Google é uma empresa que acredita muito de que isso já está se tornando realidade, pois já traz uma porção de aplicativos que rodam diretamente em seu navegador. Dentre os mais famosos serviços do Google podemos citar:

• GMail e Google Talk: o GMail em si já pode ser considerado um cliente de email, pois traz uma porção de funções para organizar não só emails, mas também os arquivos que são recebidos junto com ele. Também possui filtros de mensagens e incorpora o seu mensageiro oficial, chamado Google Talk.

• Google Maps: é o parente mais próximo e simples do Google Earth. Através dele você também pode navegar para qualquer lugar do mundo digitando uma referência. Além disso, permite que você crie trajetos para andar de carro pela sua cidade partindo de um ponto e tendo uma certa localização como destino.
• Google Docs: com uma porção de ferramentas no estilo Office, você pode acessar um ótimo processador de textos (como o Word), uma ferramenta para planilhas (como o Excel) e até mesmo criar e visualizar apresentações de slides (como o PowerPoint).
Google Docs.
• iGoogle: mesmo que o nome tenha uma estranha semelhança com produtos da Apple, o iGoogle não tem nenhuma relação com a empresa de Steve Jobs. Na verdade é um site que reúne os principais serviços que o Google já oferece para um acesso fácil e rápido (como se fosse um desktop). Você pode, por exemplo, incorporar o Google Agenda, o GMail, o Google Notícias e o YouTube em sua página, todos ao mesmo tempo, com um resumo de novas atualizações. Uma ótima idéia, não é?

Estes são apenas os exemplos mais simples do Google, que a cada dia surpreende a todos com seus novos serviços online. Entretanto, há uma variedade realmente enorme de tipos de aplicativos que já estão nas nuvens, incluindo desktops inteiros, que também têm seus aplicativos, como se fosse um sistema operacional inteiro online. Assim, você envia seus arquivos para estes sistemas online e pode acessá-los a partir dele mesmo.
E é devido ao grande interesse e investimento do Google em relação à computação nas nuvens que começamos a pensar: quando será que o Google criará seu sistema operacional online, juntando todas as ferramentas que temos em Windows, Macs e Linux em um lugar só, ou melhor, nas nuvens?

Segurança Digital (WEB Segurança)



Este artigo que ora postamos é maravilhoso. Por seu conteúdo e também pelo público que busca alcançar. O site www.baixaki.com.br deu um salto de qualidade muito significativo nos últimos tempos e mais este artigo vem de lá.


Quero aproveitar para chamar a atenção de todos para manias novas que vão tirar o sono de muitos pais: SEXTING e Chatroulette. Evite proibir, simplesmente, que seus filhos tenham acesso à web. Procure ler sobre tudo e conhecer coisas que, aparentemente, são sinônimo de lixo virtual, como o orkut, msn ou youtube. Aprenda e ensine a forma correta de usar, ou troque idéias com seus filhos. Se você não se vê com disposição ou tempo para conhecer informática, lembre-se: seus filhos, que foram criados com amor, e tementes a Deus, terão todo o tempo do mundo para serem apanhados pela tecnologia e pelos males que se escondem nos recursos criados para o bem da humanidade. Estes recursos (redes sociais) foram mesmo criados para o benefício mundial e são fantásticos. Infelizmente, são mal utilizados até o limite, e aí encontramos os absurdos de toda natureza. Verdadeiras aberrações.

Conhecimento é poder!


Luiz C Loiola S
                                                          

                               ***


Websegurança: aprendendo desde cedo

Por Bruna Rasmussen
Segunda-Feira, 4 de Janeiro de 2010

Matemática, português e websegurança. A criançada chegou à era digital e a segurança na internet pode ser ensinada na escola!
Informação em tempo real, conteúdo violento, pornografia, cultura, comunicação e uma tonelada de vírus e malware estão todos misturados em uma grande bacia chamada internet. Então você, que acessa o Orkut, conversa no MSN e faz pesquisas no Google, acha mesmo que está a salvo?

Basta um clique em falso para que você se exponha a farsantes, vírus e conteúdos impróprios na web. O oriente médio pode ser tão perigoso quanto a internet e a única diferença é que, nas terras de lá, você não caminharia com a mesma tranquilidade de quando está online. 



Embora a segurança na web seja um tópico desgastado, os usuários continuam ignorando os perigos virtuais. Mas por que é tão difícil ficar atento e entender que existe perigo atrás do monitor? Como dizem as avós, “cachorro velho não aprende truque novo”.

Se isto isso for certo, só nos resta colocar o foco sobre as crianças e começar a tratar da websegurança assim que os pequenos forem alfabetizados. Afinal, ninguém duvida de que em breve a tecnologia fará parte de suas vidas.
A segurança começa desde cedo.
Recentemente, a Grã-Bretanha anunciou o ensino obrigatório de boa conduta na internet para todas as crianças com mais de cinco anos. Não responder a emails de estranhos, evitar bate bate-papos públicos e não postar fotos em redes sociais são dicas comuns, mas que nem sempre são levadas a sério.

Portanto, acredita-se que uma boa dose de regras e dicas, além da formação de um pensamento crítico, podem evitar que os futuros internautas se deparem com o lado ruim da web. Mas será que tudo isso é mesmo necessário?

Filtro de conteúdo: vilão?

Quando você pensa em crianças e internet, a primeira coisa que, possivelmente, vem à sua cabeça é o uso de filtros que bloqueiam conteúdo sexual e violento. Utilizados na grande maioria das escolas do Brasil e do mundo, estes sistemas podem bloquear boa parte das informações indesejadas, mas estão longe, muito longe de ser perfeitos.

Há milhares de relatos de professores e alunos que, ao buscar um termo inofensivo no Google, foram bloqueados pelo filtro. Já outros, ao fazer também uma busca comum, obtiveram no Google Images fotografias obscenas e ofensivas. Então, se você costumava apostar todas as suas fichas nos filtros de segurança, é melhor repensar.



Pouco adianta proibir.

Outro ponto bastante discutido é o viés de censura representado por estes mecanismos. Até que ponto proibir o acesso a um site impróprio é algo bom para a criança? Calma lá! Uma criança não deve acessar conteúdo pornográfico ou violento, mas proibir é mesmo necessário? Instruções da escola ou uma conversa franca com os pais não seria uma melhor solução?

A experiência de educadores dos quatro cantos do mundo revela: proibaproíba o acesso a determinado conteúdo na web e, assim que a criança estiver em um computador sem filtros, ela irá vai matar sua curiosidade e acessar pornografia, violência e seja lá o que for. Ou seja, Proibir proibir está longe de ser eficaz.
Mesmo com tantos pontos contras, a cultura dos filtros está por toda parte e o próprio Google oferece uma ferramenta semelhante. Com o nome de SafeSearch, este mecanismo oculta ocorrências de busca de websites com conteúdo pornográfico ou violento. A mundialmente conhecida marca pode até dar um ar de confiança, mas o SafeSearch continua sendo um simples mecanismo de filtro: nada mais, nada menos.
Google SafeSearch.

O bloqueio de certas partes da web é falho e o conteúdo indevido pode sim escapar da filtragem. Além disso, estas ferramentas geralmente atrapalham o plano de aulas dos professores ao bloquear pesquisas e websites inofensivos e, claro, estudantes com 13 ou 14 anos já sabem muito bem como transpassá-las.

Ou seja: bloquear conteúdos seja na escola ou em casa é inútil. Mas qual seria a solução para garantir uma navegação segura a crianças e adolescentes? Hmm... talvez a Grã-Bretanha esteja coberta detenha razão!



Matemática, ciências e... websegurança!

Um total de 99% de todas as crianças da Grã-Bretanha têm acesso à internet e, destas, quase 20% afirma ter tido contato com conteúdo impróprio. O bandido está a um clique do mouse e as crianças - inocentes, de fato - não têm consciência do perigo que correm.
O projeto "Click Clever Click Safe" (Clique com Inteligência, Clique com Segurança) deve atuar nas escolas públicas, em indústrias e em instituições de caridade e pretende alertar pais, educadores e os jovens para os riscos encontrados na internet.

Se antigamente valiam as regras do "não fale com estranhos" e "não aceite doces de estranhosna rua", a tecnologia exige novas regrinhas como "não envie fotografias" e "não se encontre com amigos virtuais". 

A iniciativa da Grã-Bretanha é pioneira, mas não deve demorar para que outras nações sigam o exemplo. Os Estados Unidos, por exemplo, já oferecem palestras e grupos de discussões sobre o assunto em vários estados.
Educar é preciso!

Na própria internet, a quantidade de professores interessados na websegurança é grande e as propostas de aprendizado são diversas. Portugal e outros países da Europa também se mostram bastante propensos a trazer soluções e, enquanto os governos ainda estudam o que será feito, diversas ONGs já se prontificaram a dar palestras e suporte a para pais e educadores. 



Mais do que proibir ou simplesmente conversar sobre isso, a escola e os pais devem ser responsáveis por auxiliar a formação de um pensamento crítico e princípios éticos. Afinal, uma vez que você compreende o seu direito por privacidade e entende que, no mundo, nem todas as pessoas são confiáveis, você provavelmente não irá vai conversar com qualquer um ou espalhar suas fotos em redes sociais.
Aulas de conduta na web podem sim dar certo, mas é preciso investir ainda mais na humanização da criança e do adolescente. É preciso ser esperto, crítico e desconfiar sempre.



E no Brasil?

São 64,8 milhões é o número de internautas no Brasil. Deste número, mais de 70% faz parte da rede social Orkut. O considerável aumento do acesso à internet pela classe C e o vigor econômico do país levam a crer que, em pouco tempo, os brasileiros estarão todos conectados.

Por aqui a preocupação da segurança da criançada também existe e já foi inserida em projetos. O Safenet, por exemplo, é um projeto privado e sem fins lucrativos que visa investigar crimes de pedofilia na web e distribui cartilhas online, com dicas sobre como evitar problemas na internet. Palestras sobre como manter crianças e adolescentes seguros na web também são oferecidas para educadores.

Outro projeto semelhante é o Movimento Internet Segura (MIS), criado em 2004 para atuar na educação do internauta. O Instituto Ayrton Senna também entrou na briga contra os males da internet e, no mês da criança, deu palestras e distribuiu gibis alertando a criançada sobre o risco de vírus, malwares em geral e todo o conteúdo impróprio que está solto pela web.

A ação foi feita em escolas do estado de São Paulo e teve o apoio da gigante Microsoft. Se antes as palestras na escola eram apenas sobre sexo seguro e drogas, hoje a tecnologia já invadiu as salas de aula!



Riscos na web
  • download de vírus e malware;
  • conteúdo impróprio (violência, pornografia, drogas);
  • conversas impróprias em chats ou redes sociais;
  • pedofilia;
  • golpes financeiros;
  • cyberbullying.
Segurança em primeiro lugar.

"54% das crianças de 9 a 14 anos acham seguro se encontrar pessoalmente com um desconhecido com quem teclou por bastante tempo..." (National Center for Missing and Exploited Children, orgão que lida com crianças desaparecidas ou que sofreram abuso sexual)

Websegurança vem de casa

Para os pais:
  1. Conversar e confiar em seus filhos é sem dúvidas o primeiro passo da websegurança!
  2. Mantenha o computador em um local central, onde todos possam ver o que a criança ou adolescente está fazendo.;
  3. Familiarize-se com a tecnologia. Se você não sabe o que é o Twitter, por que proibir seu filho de acessá-lo?
  4. Limites no uso do computador são essenciais.;
  5. Converse com seus filhos sobre drogas e sexo, isso evita que eles busquem informações online.;
  6. Incentive o uso da web para coisas boas como pesquisas, vídeos interessantes e novos aprendizados.;
  7. A educação em casa e na escola é a base para a sobrevivência na internet. O auxílio na formação do pensamento crítico é essencial.
Para os jovens:
  1. Navegar na web é como andar em uma rua mal iluminada à noite: todo cuidado é pouco.;
  2. O que você não falaria olhando nos olhos de alguém não deve ser dito na internet, atrás do monitor.;
  3. Evite marcar encontros reais com pessoas da internet. ;
  4. Lembre-se do dizer: "quando a esmola é demais, o santo desconfia". ";
  5. Só porque você viu na internet, não significa que é seja verdade.;
  6. Não divulgue dados pessoais como número do cartão de crédito, documentos ou endereço.;
  7. Cuidado com fotos comprometedoras. Evite a prática do "Sexting".
Pratique!

SeguraNet é um website português que também tem a intenção de educar os pequenos para o mundo online. O site traz uma série de atividades educativas para que pais, alunos e professores saibam um pouco mais sobre como se defender dos males da web.
Aprenda com jogos!

Para jogar, basta escolher um dos tópicos na coluna da direita, ler a explicação, cuidados e se divertir com as atividades que envolvem questionário, caça caça-palavras, verdadeiro e falso, entre outros. Aproveite: todas as informações e jogos estão em português!

Celular em Sala de Aula

Celulares podem se tornar grandes aliados na educação do século XXI Tecnologias Móveis em Sala de Aula